Combatentes foram usados até para proteger o Papa

Nas inúmeras e sangrentas batalhas que foram travadas ao longo da história, geralmente são apenas duas partes que são retratadas no conflito. Existe um tipo específico de combatentes, no entanto, que frequentemente se envolveram em guerras, não para defender uma bandeira ou uma nação, mas para lutar por quem pagou mais.

Os mercenários ainda são retratados de diversas formas em livros e filmes – Deadpool, um sucesso recente, é conhecido como “mercenário tagarela” – e geralmente são relacionados a uma atitude pouco ética. No entanto, esses grupos são bem mais antigos do que se pode imaginar e foram usados de forma frequente nas mais diversas situações, inclusive para proteger o Papa.

Confira os 6 exércitos mercenários mais tradicionais da história:

6 – Os 10 Mil

Talvez o grupo mais antigo da lista, “Os 10 Mil” eram soldados gregos, veteranos da Guerra do Peloponeso, são citados na obra “Anábase”, de Xenofonte. Em 401 A.C. eles foram contratados por Ciro, O Jovem, um príncipe persa que queria tirar seu irmão Artaxerxes II, então rei, do poder.

Com a morte de Ciro durante a batalha – e, portanto, o fim da garantia de pagamento –, o grupo mercenário foi forçado a se retirar da guerra, mas foram duramente perseguidos pelas tropas reais. Mesmo assim, resistiram heroicamente e conseguiram retornar para o território neutro com 70% da quantidade original de soldados. A história serviu de inspiração para o filme “Os Selvagens da Noite” (The Warriors).

5 – A Companhia Branca

Um grupo composto por ingleses, germânicos, bretões e húngaros, reconhecidos pela altíssima habilidade com lanças e arcos de longo alcance, A Companhia Branca ficou conhecida como um dos principais exércitos mercenários que lutaram em guerras na Itália durante o século 14. Em um país dividido entre lordes medievais, o grupo sempre serviu a quem pagava mais – mesmo que isso significasse batalhar com quem os havia contratado anteriormente.

O grande diferencial era que esses soldados gostavam de lutar em climas adversos e durante a noite, quando se beneficiavam de suas táticas que consistiam basicamente de ataques surpresa.

4 – A Guarda Suíça

Quem visita o vaticano e vê a Guarda Suíça, com seus uniformes listrados, defendendo o Papa, dificilmente imagina que eles começaram como um bando de mercenários que ganhou reconhecimento durante o período da Renascença, entre os séculos 15 e 19, participando de importantes eventos, como a Revolução Francesa.

As tropas foram pioneiras na especialização do uso de lanças e alabardas – armas usadas até hoje pelos soldados no Vaticano, que começaram a prestar o serviço de proteção papal em 1506.

3 – Os Tigres Voadores

Oficialmente o grupo é conhecido como “Grupo de Voluntários Americanos”, mas foi impossível fugir do apelido “Tigres Voadores” quando os pilotos norte-americanos resolveram ajudar os chineses contra as investidas japonesas durante a Segunda Guerra Mundial.

Antes dos Estados Unidos entrarem efetivamente no conflito, alguns soldados foram liberados para fazer uma participação paga nos combates que aconteciam do outro lado do pacífico. Em torno de 100 pilotos “mercenários” popularizaram a famosa pintura de tubarão nos caças P-40, abatendo 296 aviões japoneses antes do encerramento do grupo em 1942.

2 – A Grande Companhia Catalã

Com o fim das batalhas das chamadas “vésperas sicilianas”, uma revolta ocorrida em 1282 contra o reinado de Carlos I, o soldado catalão Roger de Flor ficou desempregado e resolveu juntar um bando para lutar pela Europa. O primeiro cliente foi o imperador bizantino Andrónico II, que precisou da ajuda d’A Grande Companhia Catalã para conter a invasão otomana.

O comportamento errático dos mercenários, no entanto, fez com que os bizantinos resolvessem contratar outro grupo para emboscar e assassinar os soldados de De Flor – o que foi feito, incluindo a morte do próprio líder.

1 – A Guarda Varegue

Descendentes diretos dos Vikings, a Guarda Varegue serviu como guarda pessoal dos imperadores bizantinos durante muito tempo, defendendo Constantinopla das eventuais rebeliões e revoltas por quase dois séculos. O grupo originalmente era composto de soldados que brigavam bastante e bebiam com a mesma intensidade, mas, aos poucos, ingleses, dinamarqueses e soldados da região da normandia começaram a integrar as tropas.

Por ser um grupo extremamente seleto e que demandava uma grande quantia de dinheiro tanto para trabalhar quanto dos potenciais recrutas, A Guarda Varegue garantia que seus soldados concentrassem verdadeiras fortunas – e poder também, já que um dos membros mais conhecidos, Haroldo Sigurdsson, chegou a ser rei da Noruega.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here