Facção criminosa domina vários presídios no Brasil

O PCC (Primeiro Comando da Capital) usou pelo menos dois criminosos que estavam “em dívida” com a facção paulista na trama de assassinato da psicóloga do presídio federal de Catanduvas (PR), Melissa de Almeida de Araújo. Essa é uma das conclusões do inquérito da PF (Polícia Federal), entregue no mês passado, que resultou no indiciamento de seis pessoas, apurou o UOL junto às fontes que participaram da investigação.

Os suspeitos foram indiciados pelos crimes de homicídio e organização criminosa. Um deles está foragido. “Pelo menos dois dos investigados estavam ‘suspensos’ da facção porque não teriam cumprido suas obrigações, ou seja, possuíam uma espécie de dívida que deveria ser paga, caso contrário, eles sofreriam punições.

Participar do assassinato da psicóloga foi a forma encontrada para ficarem quites com a chefia do PCC”, afirmou, sob a condição de sigilo, um dos investigadores da PF que atuaram no caso. Ele não entrou em detalhes sobre as razões da “suspensão” dos membros do PCC.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here